Sexta, 21 de setembro de 2018
87 98130-4191
Cidades

22/07/2018 ás 16h12 - atualizada em 30/07/2018 ás 16h12

68

Garanhuns MINHA Cidade / Jhonathas William J.W

Garanhuns / PE

FESTIVAL DE INVERNO - DOMINGO
confira na matéria:
FESTIVAL DE INVERNO - DOMINGO

* Givaldo Calado de Freitas


Que dia é hoje? Amanheci assim. Parecendo em órbita. Sem noção de tempo. Nem segurança de onde estava. 


Teria sido a noite de ontem? Sim, a segunda do FIG. Que avança no desfilar de suas mais de 500 atrações? 


Mas, ontem, fora apenas a segunda noite de tantos e tantas dias e noites que hão de compor o FIG 2018. 


De repente, parece que o amigo Mário  adentra a minha casa, já sabendo do meu estado, e, parecendo não me conhecer me sai com essa: “Givaldo, meu irmão, você, ontem, no nosso espaço, tomou todas ou quase todas, durante o show da Daniela”. 


E eu, comigo: “Só eu. Primeiro, mal ela terminava a segunda música, e eu, à francesa, já a caminho de minha alcova.  Segundo, sou abstêmio. Logo, tô fora. E digo isso até pensando no outro dia. Sim, no batente do outro dia, quando tenho que estar lúcido,  ativo... para vencer as tarefas que me esperam.” 


Agora, sereno, tranquilo... a ponto de recordar passagens de Fátima Quintas que eu mesmo, sem pensar, as exercito com prazer: a lembrança dessas passagens que, segundo Fátima “confirmam a existência; narrá-las  equivale a eternizar-se”. 


Por isso, eu aqui, no tecer as minhas Linhas e Linhas, no culto ao registro das passagens sentidas ou vividas; ficcionais ou reais. Mas passagens em nossas vidas que “... a literatura é a única maneira de burlar a censura da consciência”. Ou, quando não ela, pelo menos minhas Linhas e Linhas.


Sim, mas burlando a censura da consciência, começo, nessa noite de domingo (22). Nessa noite fria, chuvosa e nevoenta  a dizer que, apesar da extensão do programa do FIG, não deixei de lado aquelas “limpas mentes” na Santo Antônio, no meu caso, sempre aos sábados e domingos. E até para saber as novas por traz dos Polos e o sentir dos presentes. 


Na Catedral, sob a batuca do Conservatório Pernambucano de Música, já desde às 16 horas, pontificava a Orquesta de Câmara de Pernambuco para encerrar, às 21 horas, com a soprano Carmen Manarcha com Daniel Gonçalves no Piano. 


No Dominguinhos a grande expectativa estava por conta de Vanessa da Mata, que seria precedida por Amanda Back, Aninha Martins, Leila Garin e Rita Benedito. Que fizeram seus show’s, enquanto os termômetros da Esplanada baixavam  e o nevoeiro fechava o tempo.


Mais uma noite do FIG no Dominguinhos, em resgate ao grande compromisso desse Festival, que veio pra ficar e, hoje, é “Patrimônio Cultural e Imaterial de Pernambuco”. 


De lá saí já pensando na noite de amanhã, segunda-feira, em homenagem aos 100 anos de Dalva Oliveira e a Núbia Lafayete, seguramente, dois nomes que fizeram e continuam fazendo história na nossa MPB.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Blog Oficial da Fan Page Garanhuns MINHA Cidade

Blog Oficial da Fan Page Garanhuns MINHA Cidade

Blog/coluna Blog Oficial da Fan Page Garanhuns MINHA Cidade
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium