Sábado, 15 de dezembro de 2018
87 98130-4191
Política

06/10/2018 ás 04h08 - atualizada em 06/10/2018 ás 04h50

86

Garanhuns MINHA Cidade / Jhonathas William J.W

Garanhuns / PE

PORQUE HADDAD - I
Crônica política por Givaldo Calado de Freitas
PORQUE HADDAD - I

Em Recife, hoje (23), disse: “Vou visitar Marcos, lá, na Avenida Boa Viagem. Ele esteve doente, e ainda convalesce da intervenção a que fora submetido”. “Mas logo, hoje, Givaldo, por que não amanhã? Hoje é domingo, dia de repouso... Não se deve incomodar ninguém”, disse-me, Emília.


“Tudo bem! Mas vou, agora. Já acertei com Pedrosa, que já me espera, lá, na Recepção”, cravei.


E fomos. Eu e Pedrosa. Disse-lhe na saída: “Você lembra, não, Pedrosa? Marcos, nosso amigo dileto, que conosco convive há tantos anos, desde os idos tempos da ‘Casa de Tobias’, a nossa velha Faculdade de Direito do Recife”.


Pedrosa passou um olhar enigmático pra mim e falou: “Não, Givaldo. De muito antes. Na verdade, desde 1966. Do Ginnásio Pernambucano. Do Curso Torres. Portanto, já há 52 anos. Mais de meio século”.


Surpreso, balbuciei: “Ora! Que exagero, Pedrosa! Você, hoje, está de não se reconhecer. Com esse seu olhar subliminar e reações exageradas. Que história é essa de 52 anos. Isso é mais de meio século, Pedrosa. Que coisa!”


Na casa de Marcos encontramos um amigo que nem parecia ter passado por uma cirurgia. Estava disposto, com boa aparência, e caminhando, normalmente, embora com muito cuidado. Foi logo indagando: “Vocês vieram pra caminhada?” Eu: “Que caminhada, amigo? Viemos, aqui, Marcos, para vê-lo. Para saber de você, e, confesso, que estou feliz por vê-lo bem e forte. Eu e, tenho certeza, Pedrosa”.


De repente, uma barulheira danada, vinda da Avenida. Barulheira de carro de som. Na verdade, de trio elétrico, entoando músicas de louvação ao machismo e à misoginia, já que exaltando verdadeiras aversões patológicas às mulheres, máxime àquelas que não comungam com suas razões. Enfim, um verdadeiro horror!     


“Dou pra CUT pão com mortadela.


E pras feministas, ração na tigela.


As meninas da direita, ‘top’ mais bela.


Enquanto as de esquerda têm mais pelo que cadela”.   


Corremos pra varanda. Todos! Eu, Pedrosa, Marcos e sua esposa, Marly. Ela, que se horrorizava com o que via e ouvia. “Meu Deus. Não é possível. Que decepção!”, repetia Marly, desesperada, horrorizada, além, como ela própria repetia: de tomada de grande “decepção”.


Quis, incontinenti, saber do porquê de seu estado. Contive-me, contudo. Até porque, à minha mente, vinham-se as imagens do trabalho de Eustache La Sueur, “O Estupro de Tamar”, que representa a passagem da Bíblia em que Tamar é estuprada por Amnon, seu meio-irmão.


Perguntei a mim mesmo: “Mas o que ‘O Estupro de Tamar’ tem a ver com o que estamos a assistir, neste domingo, aqui?” A resposta veio-me logo: É porque as mulheres, para eles, de esquerda, pensam no próximo, e, por isso, são tratadas por cadelas (Enquanto as de esquerda têm mais pelo que cadela). Que horror!”


E de lá de cima era o que se ouvia. “Cadela! Cadela!” Com todo entusiasmo e, repetidamente.


Criei coragem e perguntei à amiga Marly do porquê de sua decepção diante da barulheira. Sua resposta veio na hora: “Givaldo, amigo, eu ia votar nesse candidato. Eu e Marcos. E tudo por acreditar que teríamos, com ele, um país diferente, já que mandaríamos pra casa esses políticos que traíram nossa confiança, deixando-nos nessa situação. Seria, vamos dizer, votos de protesto pela indignação que nos ocorre. Agora, diante do que vejo, Deus me livre desse homem, porque vejo diante de mim a encarnação do preconceito, da intolerância, do autoritarismo e, pelo que ouvi, ontem, de um amigo nosso, tudo levando a acreditar na ameaça que ele representa à nossa democracia, e, muito grave, também, no caminhar ao atraso e ao retrocesso por ele defendido. Atraso de séculos. Muitos! Retrocesso rejeitado pela nação. Atraso de séculos de antes de Cristo. Retrocesso à inimaginável ‘Lei de Talião’, que pregava você sabe, ‘Olho por olho, dente por dente’, como inserto nos escritos de seu velho ‘Código Babilônico de Hamurabi’, no muito distante ano de 1.770 antes de Cristo”.


Confesso que fiquei tocado com as palavras da amiga Marly. E fiquei a pensar: “Quantas Marlys, neste Brasil, não estão a precisar de uma palavra amiga?”  


Voltar àqueles tempos? Nem pensar!


Essa nuvem que se abate sobre nós, vai passar. E já! Para o bem da nação brasileira. Mas vai passar com o exercício da prudência, do equilíbrio e da razão. Nunca com radicalismo, seja ele de um lado ou de outro. Mas com humanismo, democracia e liberdade.


E, dentre os colocados, só vejo um nome capaz de fazer o Brasil voltar a sorrir - H A D D A D. 


*Acadêmico. Figura Pública.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Blog Oficial da Fan Page Garanhuns MINHA Cidade

Blog Oficial da Fan Page Garanhuns MINHA Cidade

Blog/coluna Blog Oficial da Fan Page Garanhuns MINHA Cidade
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium