Segunda, 29 de Novembro de 2021
21°

Poucas nuvens

Garanhuns - PE

Geral Pará

Em fenômeno raro, Santa Casa registra nascimento de gêmeo dentro da bolsa amniótica da mãe

Ao ser retirado da barriga, médicos viram que a placenta ficou preservada com o menino Gabriel dentro, permitindo a observação dos movimentos e das atividades que exercia dentro do útero

25/10/2021 às 10h51
Por: Central Fonte: Secom Pará
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Pará
Foto: Reprodução/Secom Pará

Foto: Ascom / Santa Casa
A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA) realizou na última sexta-feira, dia 11, um procedimento raro: o parto normal de gêmeos e, mais do que isso, de um dos bebês empelicado, ou seja, ainda na bolsa e envolto no líquido amniótico. Na grande maioria das vezes, o parto gemelar é feito por cesariana e com rompimento da bolsa. 

Os gêmeos Miguel e Gabriel são filhos da neuropsicóloga Carolline Sanches, 29 anos, e do técnico de enfermagem Mariano Alves. Miguel nasceu às 10h55min com 2,300 quilos e 44 centímetros; Gabriel, às 10h57min, com 2,160 quilos e 42 centímetros – mas, neste caso, toda a placenta ficou preservada com o menino dentro e a observação dos movimentos e das atividades que exercia dentro do útero. A literatura médica aponta que o chamado parto empelicado ocorre uma vez a cada 80 mil nascimentos. 

“Parto empelicado é quando o bebê nasce dentro da bolsa de líquido amniótico, sem rompê-la. Enquanto o bebê está dentro da bolsa, ele continua recebendo todos os nutrientes e oxigênio através do cordão umbilical, não existindo qualquer risco para a sua sobrevivência. No entanto, ele precisa ser retirado da bolsa para que o médico possa avaliar se está saudável”, explica Michele Pinho, enfermeira de ginecologia e obstetrícia do hospital. 

Uma das responsáveis pelo procedimento, a residente em ginecologia e obstetrícia Leticia Picança, contou a empolgação da equipe de profissionais com o nascimento de um bebê ainda envolto pela placenta e com todo o líquido amniótico preservado.

“A placenta é uma membrana fina e resistente, mas que facilmente se rompe até a hora do parto, seja pelos movimentos do bebê ou pelo manuseio da equipe para o nascimento. Foi muito emocionante ter a oportunidade de participar deste momento único e belo. A gente tem um grande privilégio de poder vivenciar isso algumas vezes na Santa Casa ” ressalta a residente.

Além da emoção do nascimento, a condição rara do parto permitiu que Mariano participasse ativamente do nascimento dos filhos e rompesse a bolsa amniótica que envolvia Gabriel. O momento foi registrado em vídeo.

Emocionada com o nascimento dos filhos, Carolline destaca que o acompanhamento do pré-natal realizado no Ambulatório da Mulher da Santa Casa, referência na assistência à saúde da mulher e da criança no Estado, foi essencial para que ela se preparasse para a chegada dos gêmeos Miguel e Gabriel.

“Só tenho a agradecer pelo atendimento que eu e meus filhos recebemos aqui”, ressalta a neuropsicopedagoga.

 

Projeto “A emoção do parto eternizada” 

Após o parto, a família foi presenteada com uma arte da placenta. O Projeto que foi batizado de "A emoção do parto eternizada " começou a ser implantado na unidade em julho deste ano e faz parte da estratégia do setor de obstetrícia da Fundação Santa Casa, enquanto Hospital Amigo da Criança (HAC), para garantir o parto humanizado.

A placenta passa por um processo de higienização para que possa receber o trabalho artístico. Com tintas à base de água, o órgão é colorido e depois é carimbado em uma folha de papel cartão, para ser entregue à família, antes da alta hospitalar.

Michele Pinho, enfermeira obstétrica (Coordenação do Centro Obstétrico), explica que a intenção do projeto é eternizar o momento do nascimento das crianças, a partir da reprodução da placenta, que na medicina, é considerada a primeira morada do bebê, onde é construído o primeiro vínculo com a mãe e por onde a criança recebe os nutrientes e o oxigênio, necessários para que se desenvolva e cresça com segurança.

"Nossa proposta é institucionalizar esta iniciativa e garantir a promoção da qualidade obstétrica e contribuir com a dignidade materna na hora do parto”, reforça a profissional.   

 

Serviço:

A Santa Casa é referência no atendimento à Gestação de Alto Risco e anualmente realiza mais de 200 partos gemelares. A unidade mantém atendimento porta-aberta 24 horas, recebendo, diariamente, gestantes de todo o estado e conta com uma infraestrutura de quatro salas cirúrgicas exclusivas para a obstetrícia e dez salas de PPPs (pré-parto, parto e pós-parto) estruturadas com barra de ling, camas PPP, cavalinho, bolas de pilates, banquetas, disponibilidade de água morna, entre outras condições, onde é trabalhado o parto de forma humanizada.

Texto:Márcio Bastos/Ascom Santa Casa

Por Luana Laboissiere (SECOM)
Garanhuns - PE Atualizado às 21h18 - Fonte: ClimaTempo
21°
Poucas nuvens

Mín. 20° Máx. 31°

Ter 33°C 19°C
Qua 33°C 18°C
Qui 32°C 18°C
Sex 32°C 19°C
Sáb 30°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias